quinta-feira, 3 de janeiro de 2008

"Amor é..."

Consequência ou talvez não, da representação significativa que costumam ter os últimos dias do ano e os primeiros do seguinte, em que por hábito faço uma balanço introspectivo daquilo que fui, por onde andei, com quem me cruzei, o que aprendi, o que senti e também do que tomo como “o” ou “os” temas mais importantes para o ano que se segue, acabei a começar a pensar no Amor.

Hoje em dia pouco se fala do Amor. Falam-se das relações, ralações e da convivência. É o Amor um sentimento ou vai mais para além disso?

Passei por blogues desconhecidos, conversas com amigos, li livros, revistas e naveguei pela internet à procura de uma resposta.

Aqui vão algumas das reflexões com que me deparei:

"O amor não consiste em olhar um para o outro, mas sim em olhar juntos para a mesma direcção" -
Antoine de Saint-Exupéry

"Amor: sentimento de afecto profundo, paixão(…)!" - Dicionário da Língua Portuguesa: Porto Editora

"Amor: Como ser Esperto o Suficiente para Entender, Paciente o Suficiente para Procurar e Burro o Suficiente para Encontrar!" -
Douglas Adams: livro Fictício

"O amor? Começa com grandes palavras, continua com palavrinhas, termina com palavrões." -
Édouard Pailleron: Revista Caras, Edição 664

"Gostamos de alguém porque; amamos alguém apesar de". -
Henry de Montherlant

"Amor é fogo que arde sem se ver". -
Luís Vaz de Camões


"Ao toque do amor, qualquer um vira um poeta". -
Platão

"O amor é um sentimento tão delicioso porque o interesse de quem ama confunde-se com o do amado". -
Stendhal

“Amor é
uma atração afetiva ou física que, devido a certa afinidade, um ser manifesta por outro.” - wikiquote


O Amor ao fim ao cabo, não passa de um sentimento, influenciado para o bem ou para o mal, através de acções, gestos ou mesmo a falta deles, que acabam por determinar a sua capacidade do “Para Sempre”. Simplesmente complexo, sem uma formula absoluta mas muito permeável ao que consiste cada ser que ama e cada um que é amado.

Acabei as minhas pesquisas a relembrar uns cromos muito presentes na minha infância, não sei se alguém ainda se lembra desta pequena BD de auditoria de Kim Casali, que em muito me influenciou as minhas referências quanto ao que hoje defino como aquilo que “o Amor é”.

Deixo aqui alguns dos meus favoritos:


´


Só me resta desejar, a todos os visitantes, um 2008 com muito, muito AMOR!

4 comentários:

g. disse...

Pois é.
Acho que o amor é algo que nos une sem nos tirar a riquesa da individualidade. Porque para mim só vale quando cada um continua um ser único. E isso é que é dificil!
Acho que quando se consegue descobrir essa mágica é quando amamos mesmo os amigos, a familia, os amantes. Sem posses, sem ciumes, sem competições.

b disse...

Voila! Penso que é uma defenição bastante aproximada da minha, embora que acrescente a maravilha da partilha que sem anular a individualidade, nos tranforma em unidade, duas indentidade com um proposito, não será harmonioso?

Obrigada pelo comentário...:o)

johnnybgoodpt disse...

Assim não vale! Eu que andei com este tema no meu album de recortes do hi5 nos últimos tempos, chego aqui e encontro este tema no blog, ainda por cima com os cromos que me inspiraram a colocar esse tema e dos quais eu tinha tantas saudades, mas não conseguia encontrar...pensando melhor: obrigado Barbara, queria mesmo rever estes cromos

b disse...

Também ADORO estes cromos, de nada jonnybgood, tenho mais....:o)