sábado, 19 de julho de 2008

Ataque palavreado

Confesso viver num planeta diferente de muitos daqueles que me rodeiam, assim como vivo no mesmo mundo de outros tantos com quem partilho sobretudo, entendimento. Sempre que me confronto com ideologias fundamentadas vindas de seres habitantes dos outros planetas com quem tenho enormes dificuldades em conseguir dialogar, sinto-me totalmente incapacitada e completamente ineficaz perante as tentativas falhadas e frustradas de comunicação. Episódios estes que emergem sobre as mais diversas formas, sejam elas conversas faladas, ou mesmo os monólogos escritos, como os e-mails ou as vulgares e corriqueiras mensagens telefónicas.

Hoje por exemplo, logo no começo do dia, recebi um sms com uma forma de linguagem que não entendi e vinda de um ser de outro planeta, só podia ser. Li, reli e voltei a ler as palavras no ecrã do telemóvel, sem conseguir chegar ao apuramento do sentido daquilo que poderia ter dado origem àquela lógica sem nexo algum. Pus em acção o meu leigo conhecimento sobre a linguagem dos outros planetas e liguei de volta, sim, liguei, na tentativa de compreensão, é suposto os monólogos escritos de vez a vez, serem mais demorados e causarem o risco de tendinites! Mas mais uma vez percebi que ainda tenho muito que aprender sobre formas de linguagem que me são estranhas. Nivel -1, ainda não sou como os seres avançados que ao meio-dia ainda as andam a apanhar do ar, resta saberem eles o que andam a tentar apanhar, gambuzinos com certeza, vindos lá daquele mundo, do dito imaginário.

E é assim, cada um como cada qual e eu, sou básica, muito básica, a maçã é só uma simples maça que quanto muito serve para se comer e o caroço para tentar plantar uma macieira que dê novos frutos, já que os outros deixaram de existir. Alguém andou refastelado à sombra da macieira a comer as maçãs todas, ora bem se depois, não sobrou nenhuma.

What´s a girl to do?

Ia, eu, ia eu,
Contente trabalhar
Quando recebo um sms
Que me fez parar

Impávida e serena
Pensei eu cá p’ros meus botões
“Mas o que é esta cena ?”
Fui atacada por ... falsas conclusões!


E assim quase que começou o meu dia. Quase. Afinal de contas era quase meio-dia.

1 comentário:

Lagoas disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.